Terras Encantadas

 
 
 
 

 

 

 

 

 

Francisco Dionísio

nasceu em

1967 d.C..

O autor de "Os Mouros das Terras Encantadas" e de "Histórias Perdidas da Lusitânia" pode ser contactado por correio electrónico através do endereço

terrasen@terrasencantadas.net

 

  Francisco Dionisio  

 

 

 

 

 

Neste espaço pretende-se dar resposta a algumas das perguntas que mais vezes são colocadas ao autor por parte dos leitores.

 

Que idade tinha quando começou a escrever ficção?

Conceber histórias é algo que me lembro de sempre ter feito. O momento em que comecei a registá-las confunde-se com a própria aprendizagem da escrita. Devia ter oito anos quando escrevi as primeiras pequenas histórias. Com o tempo os temas e os objectivos foram evoluindo sem que consiga identificar pontos de viragem ou mudanças bruscas.

 

Quanto tempo demorou a escrever o Elmo de Cristal?

Desde as primeiras pesquisas, passando pela concepção de todo o universo das Terras Encantadas e a elaboração de determinadas regras básicas que permitiriam a evolução coerente desse universo, até à última revisão do texto, passou cerca de um ano. Nunca tinha escrito nenhum texto em tão pouco tempo.

 

A que fontes recorreu para fazer a pesquisa sobre mitologia portuguesa?

Recorri, sobretudo, a recolhas de lendas e superstições que foram feitas entre o final do século XIX e o início do século XX, por autores com Martins Sarmento, José Leite de Vasconcelos, Consiglieri Pedroso ou Teófilo Braga. Estes trabalhos possuem o enorme mérito de terem registado lendas que a tradição oral já esqueceu e que, de outro modo, ter-se-iam perdido para sempre. 

 

Algum dos mouros é inspirado em personalidades históricas?

Não, embora alguns tenham nomes idênticos aos de algumas figuras históricas.

 

Como surgiu o personagem Sara?

A Sara surgiu num livro, ainda não publicado, que escrevi pouco tempo antes de ter começado em criar as Terras Encantadas. Nessa história precisava de um personagem com capacidades para-normais que pudesse enfrentar um espectro malévolo e lembrei-me de alguém que estivesse entre dois mundos, sem pertencer a nenhum deles. Desta forma nasceu a Sara, filha de um humano e de uma moura encantada. Quando tive a ideia de conceber Os Mouros das Terras Encantadas pareceu-me natural e obrigatório que a Sara se tornasse a personagem central destas histórias.

 

Com que autores mais se identifica?

Dos vários autores com que me identifico ou cuja obra admiro, destaco três: Alexandre Herculano, por tão cedo ter percebido que a História de Portugal é uma fonte inesgotável para a boa ficção de aventuras; Miguel Torga, pela forma ímpar como olhou o nosso país, e em particular o interior; JRR Tolkien, pela mestria e coerência com que criou um universo tão complexo como a Terra Média.

 

Se pudesse seleccionar sete músicas (apenas sete) para ouvir nas Terras Encantadas, qual seria a sua escolha?

Por ordem alfabética:

A Andorinha; Madredeus

Across the Universe; The Beatles

Balada das Sete Saias; Trovante

Canção de Embalar (Dorme Meu Menino); José Afonso

Song to the Siren; This Mortal Coil

Starálfur; Sigur Rós

Xácara das Bruxas Dançando; Trovante

 

E sete livros para ler nas Terras Encantadas?

Também por ordem alfabética:

A Harpa de Ervas; de Truman Capote

As Brumas de Avalon (4 volumes); de Marion Zimmer Bradley

Contos; Miguel Torga

Eurico, O Presbítero; de Alexandre Herculano

Não Matem a Cotovia; Harper Lee

O Grande Meaulnes; de Alain Fournier

O Senhor dos Anéis (3 volumes); JRR Tolkien

 

Sete sítios encantados?

Castelo de Algoso

Castro de Carvalhelhos

Castro da Fraga da Pena

Cromlec dos Almendres

Marvão

Mata da Margaraça

Santuário da Rocha da Mina

 

Sete filmes preferidos?

A Lenda do Cavaleiro Sem Cabeça; Tim Burton

À Procura da Terra do Nunca; Marc Forster

Charlie e a Fábrica de Chocolate; Tim Burton

Coisa Ruim; Tiago Guedes e Frederico Serra

Coração Selvagem; David Lynch

Dark City – Cidade Misteriosa; Alex Proyas

O Senhor dos Anéis; Peter Jackson