Os Mouros das Terras Encantadas

 
 
 
 

 

 

 

Dizem uns que as Terras Encantadas foram criadas pelos Homens das Pedras Grandes, estando para as Terras Esquecidas como o forro de um casaco. Dizem outros que já existiam e que eles apenas as descobriram e criaram as portas que as ligam ao nosso mundo.

A geografia das Terras Encantadas é a mesma das Terras Esquecidas. Apenas alguns elementos da paisagem estão alterados pelas obras construídas de um e de outro lado. Ainda assim, algumas edificações existem nos dois mundos: pontes, torres, antas e outras construções onde foram encantados mouros, tornam-se portas de entrada para as Terras Encantadas e passam a existir nos dois lados da passagem.  

Durante as primeiras incursões às Terras Encantadas, o Povo das Pedras Grandes deparou-se com os temíveis seres que habitavam aquele mundo e, compreendendo a ameaça que eles representavam, deixou de construir os acessos e afastou-se dos que já existiam, passando a erigir as suas povoações em locais elevados e fortificando-as, para garantir alguma segurança no caso dessas criaturas entrarem nas Terras Esquecidas.

Um pequeno grupo decidiu, apesar dos perigos, ir viver para as Terras Encantadas. Foram os primeiros humanos a fixarem-se ali, onde vivem há cerca de três mil anos. Durante quase dois milénios foram os únicos homens provenientes das Terras Esquecidas a habitar aquele mundo. Ao longo desse tempo exploraram-no em viagens discretas, nas quais procuraram observar e conhecer todos os seres com quem partilhavam aquele espaço, sem que estes se apercebessem da sua existência.

Tiveram o cuidado de permanecer afastados dos Encobertos, mas por acreditarem na importância de conhecer os hábitos e os movimentos dos Senhores do Mal, mantiveram sempre uma vigilância discreta sobre o seu território.

Os Encobertos não têm forma definida, cada pessoa vê-os do modo como concebe o reino sobre o qual cada um deles domina: a Morte, o Sofrimento e a Dor. Dizem uns que os Encobertos são uma das anomalias que resultaram da criação das Terras Encantadas. Dizem outros que foram os Encobertos quem as criou, em tempos tão antigos que não existia qualquer outro ser vivo para o poder recordar.

 

Os Mouros das Terras Encantadas

 

Algumas lendas atribuem a criação dos asinomens aos Encobertos, a partir de homens que raptaram nas Terras Esquecidas ou de homens capturados ao entrarem inadvertidamente nas Terras Encantadas. Além dos asinomens, os Encobertos controlam também as bruxas, os basiliscos, o Homem da Foice, o Entreaberto e outras criaturas malignas através das quais lançam as suas ofensivas contra os mouros.

Um pequeno número de sábios, em cada um dos povos que se sucedeu na ocupação do território que hoje corresponde a Portugal, teve conhecimento da existência das Terras Encantadas, mas foram os árabes quem mais aproveitou esse conhecimento. Com a reconquista cristã, iniciada a norte da Península Ibérica, muitos mouros encantaram as filhas, irmãs ou mulheres para não as exporem aos perigos de uma retirada apressada por caminhos inseguros. Fizeram-no com a esperança de, mais tarde, recuperarem o domínio desses territórios e libertarem-nas dos encantamentos.

Outros encantavam-se a si próprios e aos seus povos, quando se viam cercados pelos exércitos inimigos, sem possibilidade de salvação. Outros ainda foram encantados em resultado de uma qualquer punição.

Assim, foi no norte das Terras Encantadas que surgiram os primeiros castelos e palácios de mouros. Ao serem encantados estes homens e mulheres aperceberam-se das capacidades que haviam adquirido: tornavam-se mais fortes, mais belos, ganharam poderes mágicos e viram-se senhores de fabulosos tesouros. Mas essas capacidades não os faziam esquecer a vontade de regressar às Terras Esquecidas. E, embora levassem a cabo grandes viagens para explorar o mundo onde tinham sido aprisionados, não desistiram de encontrar alguém que lhes quebrasse o encantamento. Aqueles que não o conseguiram, acabaram por se conformar e adaptar às Terras Encantadas e à sua nova existência.

 
Os Mouros das Terras Encantadas

 

Durante cinco séculos e, à medida que o território de Portugal foi sendo conquistado pelos cristãos, foram chegando às Terras Encantadas cada vez mais mouros, que procuraram organizar-se para fazer frente às ameaças dos Encobertos e dos seus seguidores.

Foram vários os guerreiros mouros que se destacaram nesse combate, levando a cabo proezas que ficaram na memória de todos, tornando-se figuras lendárias, como foi o caso de Amenhamet que, entre outros feitos, conseguiu roubar a espada a um dos Encobertos.

Mas nem sempre a convivência entre os mouros foi pacífica. Se em muitos casos se criaram alianças, noutros surgiam inimizades e guerras que os enfraqueceram.

Por outro lado, se alguns mouros conseguiram libertar-se do encantamento que os prendia às Terras Encantadas, outros viram o seu encantamento dobrado, como consequência de os humanos em quem confiaram para os desencantar terem fracassado nesse propósito e caíram, contra sua vontade, sob a influência das forças das trevas.

Com a reconquista definitiva do Algarve foram muitos os mouros a ser encantados no sul, o que tornou esta região a mais densamente povoada das Terras Encantadas. Ali foram construídas cidades magníficas, onde a arquitectura, a ciência, a filosofia e a poesia atingiram níveis nunca antes vistos.

Depois de terminada a reconquista do território português, o mestre de uma ordem de monges guerreiros que descobrira a existência das Terras Encantadas, durante os estudos de magia que desenvolveu em segredo, encantou todos os elementos da ordem para que pudessem estender àquele mundo, onde tantos mouros se tinham refugiado, a guerra contra os sarracenos.

Quando descobriu que a magia dos Homens das Pedras Grandes era alimentada pelas forças cósmicas captadas pelos menires e cromlecs que erguiam, Abu Sakan, o mago que ficou aprisionado nas Terras Encantadas com o objectivo de vigiar e perseguir Balen al-Farah, e que mais tarde ofereceu os seus préstimos aos Encobertos, decidiu conquistar o território daquele antigo povo.

Um dia introduziu-se dissimuladamente entre eles, talvez sob a forma de um animal insuspeito, e conseguiu disseminar uma doença que matou metade da população. Ao descobrir o que estava a acontecer, Zahara, a Senhora das Águas, foi em auxílio do Povo das Pedras Grandes, protegendo-o de um ataque de asinomens e curando todos os doentes que ainda não tinham morrido. Desde essa altura, e apesar de continuarem a viver em total isolamento, os homens das Pedras Grandes passaram a ter uma atitude mais tolerante para com os mouros e um respeito enorme por Zahara.

 

Os Mouros das Terras Encantadas

 

Pouco mais de um século após chegarem às Terras Encantadas, os Monges da Ordem Negra, como os mouros chamaram à ordem de monges guerreiros, deu início a um dos episódios mais dramáticos da história daquele mundo. A Ordem Negra raptou um recém-nascido mouro, a quem deu o nome de Tiago, instruiu-o nas artes da guerra e da magia e, quando ele completou 88 anos, iniciou uma guerra contra os mouros.

Aproveitando a fragilidade dos territórios do norte e as rivalidades que existiam na altura entre os inúmeros pequenos emirados em que os territórios do sul se dividiam, avançaram pelas Terras Encantadas dizimando os mouros, com Tiago na frente, mostrando ter a força de duzentos homens e ser imune a flechas e lanças. Matavam todos quantos encontravam, destruíam castelos e palácios, queimavam colheitas. O seu objectivo não era conquistar terras ou riquezas, mas unicamente acabar com todos os mouros.

Mohamed Aben Amid, seguindo os concelhos de Zahara, uniu vários territórios do sul em dois grandes emirados. O de Xelb, que ficou sob o seu comando, e o de Mirtolah, que foi dado a al-Mundhir. Lado a lado, os dois homens conduziram os mouros à vitória, embora al-Mundhir tenha perdido a vida nessa guerra.

Tiago foi morto, a sua invencibilidade desmentida e a Ordem Negra sofreu uma derrota da qual até hoje não conseguiu recuperar, limitando-se actualmente a curtas acções de guerrilha.

A Guerra da Ordem Negra, como ficou conhecida, durou cerca de nove anos e custou a vida a quase metade dos mouros das Terras Encantadas.

Para evitar confrontos com os Encobertos, durante a guerra, a Ordem Negra estabeleceu um pacto de neutralidade com Cassima, que reinava sobre todos os mouros encantados sob a forma de serpente, e que conseguiu esse domínio com o apoio de Abu Sakan e dos Encobertos, a quem passou a prestar vassalagem.

Quando terminou a Guerra da Ordem Negra. Aproveitando a debilidade em que se encontravam os outros reinos mouros, a Senhora das Serpentes, apoiada por alguns bandos de basiliscos, lançou uma vaga de ataques aos povoados do Centro e do Norte que, por serem menos populosos, tinham exércitos mais fracos. Mas a nova organização política que resultou da Guerra, trouxe aos mouros que se opunham às forças do mal uma organização mais eficiente e uma mais rápida capacidade de resposta. Dos emiratos de Xelb e Mirtolah partiram exércitos que obrigaram os mouros-serpente a recuar para as florestas sombrias do Centro das Terras Encantadas, onde viviam, e só os Encobertos, que vieram em seu auxílio, evitaram que Cassima sofresse uma derrota desastrosa.

 

AsinomemAsinomem

 

Perante a fragilidade em que a Guerra da Ordem Negra tinha deixado os mouros, Zahara decidiu que era tempo de dar forma a uma arma que há muito se sabia ter de vir a ser criada. A Senhora das Águas foi a Sharish buscar um grande bloco de cristal, que estava à guarda de Balen al-Farah, e levou-o para Xelb onde, em segredo e juntamente com Bahaedin al-Jawhar, seu marido, e o emir Mohamed Aben Amid, o trabalhou até dar forma ao Elmo de Cristal, um objecto mágico que transmite um poder ilimitado a quem o usar. O cristal, já sob a forma de Elmo, retornou a Sharish para que ficasse sob a protecção de al-Farah até chegar o momento de ser usado.

Os séculos que se seguiram foram relativamente calmos e a paz foi apenas esporadicamente interrompida por assaltos de asinomens e de mouros-serpente aos reinos e povoados mais desprotegidos.

As forças do mal pareciam ter recolhido aos seus covis e durante muito tempo deixaram de se ouvir relatos de movimentações de criaturas ameaçadoras como os basiliscos, as almajonas ou os próprios Encobertos. Até que Abu Sakan descobriu a existência do Elmo de Cristal e a ameaça que ele poderia representar para as Forças do Mal e lançou um ataque maciço a Sharish.